Arquitetura sustentável: como aplicar a sustentabilidade em seus projetos

Todos os anos, a ONG Earth Overshoot Day calcula o dia em que o uso de recursos feito pelas atividades humanas se equipara à quantidade que o planeta consegue renovar. Em 2018, a data foi 02 de agosto — a mais precoce desde que os registros começaram a ser feitos.

Explicando melhor, o Earth Overshoot Day é a data-calendário ilustrativa calculada na qual o consumo de recursos da humanidade para o ano excede a capacidade da Terra de regenerar esses recursos naquele ano. O Overshoot Day da Terra é calculado dividindo a biocapacidade mundial (a quantidade de recursos naturais gerados pela Terra naquele ano) pela pegada ecológica mundial (consumo da humanidade dos recursos naturais da Terra naquele ano) e multiplicando por 365 o número de dias em um ano civil gregoriano comum.

Por isso, é responsabilidade de arquitetos e engenheiros contribuírem com uma arquitetura sustentável. Para, assim, diminuir a carga sobre os recursos naturais. Mas se isso ainda não for motivo suficiente, há outro: projetos sustentáveis podem representar economia.

Se você quer saber mais sobre as vantagens da sustentabilidade nas obras e como começar a aplicá-la, este post é para você! Continue a leitura e saiba mais!

Como aplicar a arquitetura sustentável na prática?

Apesar de ser menos comum, a arquitetura sustentável é algo possível e viável. Veja algumas técnicas de que você pode utilizar para trazer mais sustentabilidade para seu projeto:

Uso da água

A respeito da água, é possível afirmar que há diversas medidas que podem tornar a sua obra mais sustentável. A primeira delas é a captação de chuvas, por meio de cisternas. A água coletada pode ser utilizada para a regar jardins, para piscinas e para higiene.

Além disso, você também pode prever um sistema de reutilização das águas de banho e da máquina de lavar. Que podem ser usados para a lavagem das áreas externas, por exemplo. Outra solução é a adoção de descargas com duplo acionamento, que trazem a opção de uso de metade da caixa ou da quantidade total de água da caixa de descarga. O que depende da necessidade.

Energia solar

Já bem difundida no Brasil, para o aquecimento de água em chuveiros e pias, a energia solar é uma das medidas mais comuns no que se refere à sustentabilidade nas obras. Em alguns casos, o sistema é capaz de representar uma economia de 60% na conta de energia elétrica.

Em alguns imóveis é possível implementar uma usina fotovoltaica para a geração de energia elétrica e abastecimento das lâmpadas e eletrodomésticos. Há estados do Brasil, em que é possível vender à companhia de eletricidade local o excedente produzido pela usina doméstica, o que reduz ainda mais a conta de luz no fim do mês.

Reutilização de materiais

Os móveis antigos, garimpados nas feiras de antiguidades e nos brechós, já são bastante utilizados pelos designers de interiores. Alguns resíduos de construções também são possíveis de serem reaproveitados como metais, madeiras e cerâmicas; sua utilização em novos empreendimentos pode representar uma grande economia. Esses materiais podem ser encontrados em lojas especializadas em artigos de demolição. Ou ainda, você pode busca-los em locais com acúmulo de entulhos. Dessa forma é possível economizar na a compra de materiais e ao mesmo tempo reciclar.

Uso sustentável do terreno

Para aproveitar de forma mais ampla as características naturais que o terreno do empreendimento oferece, no projeto, é importante que o arquiteto analise e aproveite aspectos como a incidência de luz natural e a circulação do vento no imóvel. Observar esses fatores é fundamental e pode proporcionar maior conforto para os usuários e economia na execução da obra.

Quais as principais vantagens da arquitetura sustentável?

Algumas das sugestões apresentadas podem, a princípio, ter um custo alto. É comum que os clientes fiquem de início assustados com os valores, mas normalmente esses investimentos terão retorno em breve, por meio das economias proporcionadas.

As medidas de sustentabilidade têm um impacto enorme em termos financeiros depois da obra pronta. Uma construção feita de modo a aproveitar melhor a circulação do ar no terreno dependerá muito menos de ventilador e ar condicionado ligados, por exemplo. Também há um impacto considerável no gasto de água quando se reaproveita o que é jogado fora da máquina de lavar, a água do banho e também as chuvas.

No que diz respeito ao reaproveitamento de materiais, a economia também tende a ser grande. Os acabamentos são uma parte onerosa da obra, que pode ter seus gastos reduzidos se o arquiteto opta por materiais reutilizados.

O uso de materiais reciclados também tem impacto no tempo de execução da obra — peças pré-moldadas ajudam a entregar construções de forma mais rápida e limpa.

Por fim, ações de sustentabilidade nas obras tornam o imóvel qualificado para usufruir de benefícios como o IPTU Verde em muitas cidades do Brasil. Nesse programa, os proprietários recebem descontos no IPTU, justamente por adotarem medidas sustentáveis.

Quais os principais desafios?

Necessidade de estudos de viabilidade

Em um projeto sustentável, é fundamental que todas as medidas implementadas se traduzam em economia. Tanto financeira quanto do uso de recursos naturais. Por isso, os estudos de viabilidade são importantíssimos.

O arquiteto precisa saber, de antemão, em quanto tempo os investimentos realizados vão começar a dar retorno para o cliente. Se o tempo de retorno for muito longo, talvez seja melhor pensar em soluções alternativas.

Arquitetos especializados

Para que uma obra seja realmente sustentável, o profissional responsável pelo projeto precisa conhecer soluções de menor impacto ambiental. Só um arquiteto qualificado será capaz de encontrar as melhores soluções para cada projeto, aproveitando os pontos positivos de cada contexto.

Análise de materiais

Existem materiais que são vendidos como sustentáveis, mas, na verdade, acabam por gerar um impacto oposto futuramente. Tanto em termos de consumo de recursos naturais como em consumo energético.

O arquiteto responsável por executar o projeto sustentável precisa realizar uma pesquisa completa dos materiais para conhecer os reais benefícios por eles proporcionados. Além disso, nem todos os materiais serão adequados para todos os projetos. Assim, cada caso demanda uma análise personalizada, de forma a atender as peculiaridades daquele determinado projeto.

É importante conhecer também alguns termos específicos da área, como o selo FSC, que certifica materiais produzidos a partir de madeira com correto manejo de florestas.

A arquitetura sustentável é uma tendência que promete crescer nos próximos anos, tanto em número de projetos quanto em importância. Se você deseja acompanhar essa linha, já pode começar a se especializar e se informar a respeito das melhores práticas e materiais. A sustentabilidade é uma responsabilidade de todos.

Compartilhe este post em suas redes sociais e veja o que os seus colegas e amigos têm a dizer a respeito da construção sustentável. Vamos criar diálogo sobre esse tema!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This