Divisórias para ambientes corporativos: como utilizá-las de forma adequada?

5 minutos para ler

No ambiente de trabalho, é importante que cada profissional tenha um espaço adequado para executar suas funções. Na medida que um escritório cresce, se torna necessário criar limites físicos por meio de divisórias para ambientes corporativos.

Como você já deve saber, as divisórias podem ser paredes leves, instaladas em um cômodo de forma relativamente fácil, permitindo a construção e reconfiguração do seu escritório em pouco tempo e com custo mais baixo.

Para que elas tenham efeito positivo, você ainda precisa saber como usá-las corretamente. Por isso, viemos aqui falar um pouco mais sobre como você pode aplicá-las de forma adequada e como escolher as divisórias para ambientes corporativos. Acompanhe!

O que considerar na hora do uso?

A escolha e a aplicação das divisórias envolvem, no mínimo, três fatores. Vejamos quais são.

1. Estética

Aparência pode não ser sua primeira preocupação na hora de escolher sua divisória, mas é um fator importante. Primeiro, a estética do seu escritório afeta a maneira como um visitante percebe seu ambiente de trabalho pela primeira vez. Ele é convidativo? Ou parece algo muito tedioso e cansativo?

Além disso, também é importante pensar em como seus colaboradores se sentem naquele local. Se a aparência for muito pesada e desconfortável, é bem provável que todos se sintam menos motivados. Pode ser necessário fazer um investimento extra, mas o efeito positivo da aparência do espaço é maior do que você imagina.

2. Isolamento acústico

Uma das funções necessárias das divisórias para ambientes corporativos é impedir que ruídos de um lado passem para o outro. Reuniões, conversas paralelas e o som de equipamentos podem dificultar bastante trabalhos que exigem muita concentração por tempo prolongado. Mais um motivo para investir em uma divisória de qualidade.

Os distintos materiais apresentam diferentes desempenho de isolamento acústico e se aplicam para diversas necessidades. Alguns ambientes são mais ruidosos, como salas com copiadoras e outros equipamentos; enquanto outros mais silenciosos, como salas de reunião. Nem sempre é necessário isolar totalmente o som, é preciso, por isso, escolher aquela divisória que melhor se encaixe em suas necessidades.

3. Distribuição do espaço

Por fim, a aplicação das divisórias envolve, naturalmente, a melhor divisão do local de trabalho, para que todos tenham o espaço necessário para suas respectivas funções. Além de pensar na separação dos ambientes, é importante garantir que a distribuição do espaço seja compatível com a necessidade. Uma sala de reunião pode precisar de uma mesa bem grande, enquanto áreas com menos pessoas não têm que ser as mais espaçosas.

Quais são os materiais de divisórias para ambientes corporativos e suas qualidades?

Pensando nos pontos acima, você pode começar a escolher sua divisória pelo material. É ele é fator determinante do desempenho acústico e da estética. Aqui estão quatro dos materiais disponíveis e suas principais características.

1. MDF

Abreviação de “Medium-density Fiberboard”, ou “Placa de fibra de média densidade”, é um dos materiais mais usados em diversos objetos, incluindo móveis. Trata-se de um conjunto de fibras de madeira prensadas com resina, criando uma placa leve e bem funcional. É uma boa opção para quem deseja praticar um negócio sustentável, pois ela é feita aproveitando restos de madeira maciça.

Visualmente, o MDF não é o mais agradável, mas ele normalmente é coberto com tinta ou alguma placa que lhe dá a aparência artificial de madeira. É uma forma barata e eficiente de colocar divisórias em seu escritório.

2. Drywall

O gesso também é um material comum em vários escritórios, especialmente no preenchimento do teto e em forros. O drywall é uma variação do gesso maciço, que utiliza placas maiores e mais porosas. Normalmente, é combinado com uma estrutura de aço leve para compor o espaço corretamente. Também é relativamente econômico, como o MDF.

Sua principal desvantagem está na manutenção. É comum que, com o tempo e interação com as pessoas, a superfície do drywall fique amarelada, mesmo depois de limpa. Por isso, é importante pensar no custo recorrente de substituição do material antes de fazer essa escolha.

3. Madeira

O uso de madeiras maciças em divisórias para ambientes corporativos pode ser tanto decorativo quanto prático, já que algumas árvores são bem resistentes e contam com aparência excelente. Se você escolher o tipo certo, pode alcançar um visual que passe a sensação de autoridade e serenidade ao mesmo tempo.

Em compensação, madeiras de alta qualidade podem ser bem caras, especialmente se a peça for feita sob medida. Isso significa que você terá custos maiores se quiser fazer alguma substituição. Além disso, tome cuidado com o fornecedor — você não quer alimentar o mercado de madeira ilegal.

4. Vidro

Por fim, as divisórias de vidro são outro exemplo recorrente. É considerado um dos materiais mais sofisticados para um escritório, transmitindo tranquilidade e concentração. É, também, uma forma de economizar energia, pois a luz o atravessa e ilumina a maior parte do escritório.

Porém, assim como a madeira, seu custo de instalação pode ser mais elevado. Ele precisa de um suporte bem colocado, para evitar que caia ou que fique vibrando, o que potencializaria mais o barulho. Também é muito importante investir em vidros temperados e laminados, afinal, caso uma dessas placas de vidro se quebre ou rache, pode haver um acidente sério no escritório.

Agora que você entende um pouco mais sobre as divisórias para ambientes corporativos, é hora de escolher uma para o seu escritório.

Quer mais dicas para melhorar a qualidade do espaço de trabalho? Então, veja aqui um artigo sobre como proporcionar mais conforto acústico para sua equipe!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

-