Por que é importante garantir uma acústica perfeita em hotéis?

Por que é importante garantir uma acústica perfeita em hotéis
7 minutos para ler

Atividades dos hóspedes nos apartamentos, na circulação e em áreas comuns e barulho de equipamentos, instalações prediais e de funcionários são as principais fontes de ruído em hotéis. Conheça os prejuízos para os hóspedes e para o negócio e saiba evitá-los

Texto: Gisele Cichinelli

O hóspede de um hotel busca um ambiente perfeito de restauração, seja após uma conferência, uma reunião de negócios ou um dia todo caminhando por locais turísticos. Por isso, criar e manter uma atmosfera de acolhimento e conforto é imprescindível para garantir sua total satisfação. Quando seu repouso é perturbado por ruídos externos ou internos, o nome e a imagem do hotel podem acabar afetados.  

“Hoje em dia o número de estrelas não é mais a principal referência de um hotel, mas sim os depoimentos que encontramos na internet. Por isso, ninguém quer hóspedes insatisfeitos”, observa Marcos Holtz, arquiteto especialista em acústica e diretor da Harmonia. 

Marcelo Godoy, sócio diretor da Modal Acústica, reforça essa ideia. Para ele, a acústica é um aspecto importantíssimo em projetos de hotéis e que jamais deve ser negligenciada. “Quem dorme mal em um hotel por conta do barulho dificilmente se esquece”. 

Insatisfação e prejuízo financeiro  

Dentre as reclamações mais recorrentes dos hóspedes estão os ruídos originados no corredor dos quartos, ruídos externos, ruídos de quartos vizinhos e ruídos de equipamentos.

Resolver estes problemas implica em obras e custos e, dependendo da sua natureza, até inviabilizam alguma mitigação. Por isso é muito importante que os estudos sobre acústica sejam feitos ainda na fase de projeto. Reformas e ajustes são possíveis, mas exigem um esforço muito maior.

De acordo com Holtz, há vários estudos cruzando dados acústicos e de performance financeira dos hotéis. “Já trabalhamos com várias bandeiras que avaliaram este prejuízo. Ele pode ser computado em unidades que não podem ser ocupadas em dias mais ruidosos e em indenizações, como diárias e jantares gratuitos”, conta. 

A boa notícia é que as grandes redes já padronizaram seus critérios acústicos, evitando surpresas indesejadas aos seus clientes. “Nos hotéis de grandes redes, vários critérios acústicos são exigidos em diversas áreas. Estes critérios permitem a escolha adequada das soluções acústicas para o uso previsto, além de permitir a verificação final através de medições sonoras”, completa Holtz. Por outro lado, ele observa que o assunto ainda é negligenciado em hotéis menores, que não têm uma bandeira estruturada. 

Cada ambiente, um cuidado

O projeto de acústica em hotéis costuma ser bastante complexo devido à diversidade de ambientes e seus usos. Por isso, o projetista acústico deve estabelecer uma parceria próxima com o arquiteto e os demais especialistas na hora de pensar seu projeto. “O conforto acústico vai resultar de soluções integradas de arquitetura, instalações, interiores e outras disciplinas. Não é algo isolado, que se possa fazer sem impactar estas outras disciplinas”, lembra Holtz. 

Confira os principais cuidados acústicos em cada área do hotel:

Hotel Hilton Amsterdã

Hall e recepção

Nesses espaços, geralmente estão também as áreas de espera, por isso precisam ter absorção sonora para proporcionar a chegada e saída dos hóspedes com acolhimento e conforto. Dependendo do layout, também podem exigir cuidados adicionais como o isolamento acústico. 

Salão de festas e salão de jogos 

O projetista deve se preocupar em controlar a reverberação e o ruído de equipamentos para garantir o conforto interno, sem esquecer que os salões de convivência podem estar próximos a áreas sensíveis, como salas de massagens, spas, salas para conferências ou reuniões ou até mesmo os quartos do hotel. Por isso, o isolamento acústico destas áreas é prioritário. 

Quartos

São o “coração” do hotel.  O isolamento de ruídos externos e o controle de ruído de equipamentos são absolutamente necessários. É imprescindível contar com isolamento acústico adequado, incluindo paredes, fachada e circulação, sendo a porta de entrada para o corredor um dos pontos mais delicados. Ruídos estruturais, hidráulicos e de instalações devem ser controlados para não perturbar o descanso do hóspede. 

Restaurante 

Em hotéis, os restaurantes são locais de descontração e de negócios. Por isso, projetar um ambiente que permita uma comunicação fácil – e que não seja muito ruidoso – é essencial. O uso de materiais fonoabsorventes é altamente recomendado, tanto em paredes quanto em tetos, mobiliário ou até mesmo no piso. Também é importante controlar a reverberação e as reflexões acústicas, pois nesse local costuma haver aglomeração de clientes. O ruído oriundo da cozinha também deve ser contido para não atrapalhar a experiência do hóspede. 

Áreas de lazer 

Esses ambientes podem ser de diversas naturezas, exigindo uma análise para cada caso, mas sua interferência sobre os demais ambientes deve ser avaliada, assim como o conforto interno do local. Para as áreas das piscinas, por exemplo, é preciso considerar as limitações devido à umidade e uso de produtos químicos de tratamento da água nesses locais. No caso de academias, o isolamento deve ser muito rigoroso, tanto para ruído aéreo quanto para ruído de impacto.

Materiais e soluções diversas

Muitas das soluções usadas neste tipo de projeto resultam do correto dimensionamento de materiais e elementos da própria arquitetura, tais como alvenarias, drywall, lajes e vidros, por exemplo. Mas o uso de algumas soluções específicas de acústica também é muito comum.  Entre elas estão as portas acústicas, mantas de contrapiso, forros, revestimentos, vidros e caixilhos especiais. “Produtos de alto desempenho, tanto na absorção sonora quanto no isolamento acústico são bastante usados em hotéis”, conta Holtz.

Segundo Godoy, há muitas novidades interessantes no controle de ruído de instalações prediais e de equipamentos. “O mercado disponibiliza revestimentos e painéis acústicos com apelo decorativo e elementos de desacoplamento estrutural para maior isolamento. Na própria concepção arquitetônica, é possível incorporar ambientes acusticamente confortáveis”, completa. 

Ainda do ponto de vista estético, Holtz lembra que há muitas opções em forros minerais com bordas mais discretas, forros com acabamentos amadeirados e com tecidos sofisticados, por exemplo.  

A localização dos equipamentos é algo crítico, que deve ser considerado pelo projeto de acústica. Por isso, o ideal é que os materiais sejam especificados ainda nas fases iniciais de projeto, quando ainda há espaço para alterações significativas.

Case: Four Seasons 

Por se tratar de um hotel na categoria “luxury”, a estética era fundamental no projeto do Four Seasons. Uma das soluções foi usar um forro liso, sem qualquer junta aparente, que também tivesse propriedades de absorção sonora muito boas. De acordo com Marcos Holtz, diretor da Harmonia e autor do projeto, o forro OWAplan, foi utilizado com sucesso nas áreas de convenções, atendendo os critérios estabelecidos em projeto da ordem de 1.2 segundos nas bandas de frequências de 250/500/1k/2k Hz. Além disso, a aparência monolítica desse modelo de forro mineral OWA permite um acabamento mais requintado e bem adequado para hotéis de alto padrão. 

Divulgação Harmonia

Colaboração técnica

Marcos Holtz – arquiteto especialista em acústica e diretor da Harmonia

Marcelo Godoy – sócio diretor da Modal Acústica 

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.