Saiba como escolher espumas acústicas para a redução de ruídos

Já entrou em algum estúdio de gravação ou sala de reunião revestidas por espumas acústicas? Percebeu que o som não reverbera pelo ambiente? Essa é a principal característica desse material: a absorção sonora. Isso traz conforto e redução de ruído para quem está nesse ambiente.

No entanto, a decisão por revestir ambientes com essa espuma, e qual tipo escolher, não passa só pela necessidade acústica. É importante saber o quanto ela é resistente ao fogo e até pensar nos aspectos estéticos, o que ela pode trazer para o projeto de design do ambiente.

Então se você quer saber porque elas são importantes para a redução de ruídos e conhecer um pouco mais sobre esse tipo de material, acompanhe nosso post até o final e esclareça suas dúvidas. Vamos lá?

O que são espumas acústicas?

As pessoas já sofrem com a poluição sonora o tempo todo nas ruas de uma cidade, não é mesmo? Nada mais saudável do que, em alguns ambientes, controlar essa propagação de ondas sonoras. Especialmente em lugares como estúdios, restaurantes, call centers, patios de recreação cobertos, entre outros locais com grande numero de pessoas falando simultaneamente.

As espumas acústicas são materiais usados para revestir vários tipos de ambientes. Sua principal função é absorver os sons e reduzir os ruídos. Por isso, um ambiente revestido com elas facilita a comunicação e traz conforto para a convivência e principalmente para o trabalho das pessoas que precisam de concentração para realizar suas tarefas.

Outro uso de espuma acústica é o feito em estúdios de locução. Neste tipo de ambiente é necessário transmitir noticias e comentários com a máxima clareza possível, e então, a espuma acústica complementa o condicionamento acústico, impedindo a reverberação do som. Claro que não podemos esquecer do isolamento acústico para que o som externo não atrapalhe a gravação e interfira no áudio dos instrumentos ou voz, mas não estaremos abordando este item aqui neste post.

Como o material funciona?

O som se propaga pelo ar por meio de ondas sonoras. Quando essas ondas encontram paredes, teto e piso, são refletidas repetidamente até perderem energia. Esta reflexão chamada reverberação, atua como reforço sonoro elevando o nível de ruído do ambiente e por vezes, atrapalhando o entendimento da conversação, palestras ou músicas. As espumas acústicas diminuem essa reflexão do som, e consequentemente, sua reverberação.

Além de reduzirem a reverberação dentro do próprio ambiente, as espumas acústicas também reduzem os ruídos e, consequentemente, trazem maior inteligibilidade e clareza às diversas atividades relacionadas a comunicação.

E que tal dar um toque especial à sua decoração? Apesar de todas as características ligadas ao controle de ruídos, as espumas acústicas também podem tornar um ambiente mais sofisticado. Com cores e formatos diferentes, é possível fazer com que o material esteja em harmonia com o design do local.

Cuidados na escolha do tipo de espuma acústica ?

Existem vários tipos de espumas no mercado e elas podem se distinguir quanto ao seu acabamento, textura, cor ou material do qual são feitas. O aspecto mais importante numa espuma acústica é seu comportamento numa situação de incêndio. Vamos nos aprofundar um pouco nesse último aspecto?

Segurança ao Fogo

Preocupados com a segurança das edificações, a divisão do corpo de bombeiros de diversos estados criou uma serie de Instruções Técnicas para todo o tipo de proteção ao fogo, passiva ou ativa, como  saídas de emergência, compartimentação, hidrantes, extintores, sprinklers, portas corta-fogo, além de uma orientação para acabamentos e revestimentos.

Esta orientação para acabamentos e revestimentos, a Instrução Técnica nº 10 – CMAR – Controle de Materiais de Acabamento e Revestimento, inclui materiais para revestimentos de piso, teto e paredes, cita normas de ensaio para os materiais de acordo com sua aplicação, estabelece a classificação de acordo com os resultados obtidos e, por fim, determina qual classificação de material é permitida para as edificações de acordo com o tipo de uso e ocupação.

De forma geral, são permitidos como revestimento de teto e paredes, materiais que sejam classificados como Classe I e II-A, por serem mais seguros, ou seja, incombustíveis ou de elevada resistência à propagação de fogo, além da baixa emissão de fumaça.

Portanto, na hora de escolher um revestimento, sempre verifique qual a classe de “Reação ao Fogo” este material apresenta e, principalmente, siga a recomendação dos Bombeiros ou do Projetista de Segurança sobre a classificação dos revestimentos de teto e paredes para cada projeto.

Em todos os países existem normas para a classificação de forros e revestimentos quanto ao seu comportamento face ao fogo. As diretrizes da Comunidade Europeia citam a norma EN 13501-1, nos Estados Unidos a norma ASTM E84;  na Inglaterra a norma British Standard 476 parte 6 e parte 7;  e no Brasil, além da Instrução Técnica nº 10 do Corpo de Bombeiros, agora contamos com a norma NBR 16626 – “Classificação da reação ao fogo de produtos de construção”, publicada em novembro de 2017.

Design personalizável

Outra vantagem dessa espuma acústica é que ela é personalizável. Por ser feita de um material semirrígido, é possível customizar o seu formato. Pode ser instalada em placas diretamente coladas no teto ou como painéis verticais, chamados de Baffles, ou ainda em painéis horizontais, chamados de Nuvens Acústicas. Estes painéis podem ser quadrados, retangulares, hexagonais, côncavos e convexos, ou ainda cortados em outros formatos determinados pelo cliente.

Esses formatos diferentes e personalizáveis levam a escritórios, hotéis e teatros um ar de sofisticação. A variedade de cores possibilita acompanhar o design previsto pelo arquiteto exatamente como no projeto. Isso dá mais liberdade de criação para arquitetos e construtores. Além disso a espuma acústica permite instalação rápida e limpa, sem causar transtornos em locais ja em funcionamento.

Por todas essas vantagens, as espumas acústicas se destacam entre outros tipos de forros. São seguras e esteticamente agradáveis aos olhos. E agora que você já sabe como ela pode ser usada, fica mais fácil de escolher esse material para a sua construção.

Mas se chegou até aqui e quer saber mais, entre em contanto com a nossa equipe. Estamos prontos para tirar aquelas últimas dúvidas que ficaram.

Comments (2)

  1. Caros, existe solução para interiores residenciais, especificamente apartamentos?
    Grata
    Patrícia

    1. Bom dia! Sim, existem soluções para vários tipos de ambientes inclusive para residências e apartamentos, contudo nossa linha, infelizmente, atende apenas as áreas corporativas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This