Saiba como garantir a acústica ideal em auditórios

5 minutos para ler

Confira dicas para projetar e especificar materiais para esse tipo de sala.

Texto: Gisele Cichinelli

Todo bom projeto de acústica focado em auditórios tem como objetivo fazer com que o som chegue de forma inteligível para toda a plateia. Para isso, é importante que a reverberação e a absorção do som estejam em níveis corretos, para que o som não seja prolongado demais, nem absorvido demais.

De acordo com Ismael Solé, diretor presidente da Solé Associados, isso pode ser feito a partir da paginação adequada dos revestimentos das paredes e dos forros, por exemplo. “Devemos sempre garantir nessa seleção áreas de rebatimento, difusão e absorção. Consideramos áreas próximas à boca de cena como difusas, áreas de meio de plateia como rebatedoras e áreas de fundo de plateia como absorventes”, explica.

O que é reverberação?

Esse fenômeno está relacionado com o tempo que o som fica viajando dentro de um espaço. A medida do tempo em que este som deixa de ser ouvido após paralisado é o que interessa para o estudo da acústica em auditórios. 

Se uma salva de palmas for dada em uma igreja gótica, por exemplo, o som ficará flutuando até perder lentamente a sua energia e ficar inaudível. Em uma sala comum, por outro lado, ele se perderá muito mais rapidamente.

“Este tempo está associado ao volume do local e à quantidade de material absorvente presente como forros, tapetes, móveis e pessoas”, explica José Augusto Nepomuceno, arquiteto, consultor da Acústica & Sônica e Coordenador do GT de Salas Especiais da ProAcústica.

O arquiteto lembra que o mais importante é sempre pensar em termos de “qualidade acústica” dos auditórios e não exclusivamente na reverberação do som. Isso porque a reverberação correta faz parte da qualificação acústica, mas existem mais ingredientes nesta receita. “Dois auditórios podem ter o mesmo tempo de reverberação e soar completamente distintos”, observa.

O que é absorção sonora?

A absorção sonora busca reduzir os níveis de ruídos em um ambiente, adequando a distribuição dos sons de acordo com o uso e a necessidade do local.

O objetivo desse conceito é melhorar a propagação e a inteligibilidade do som. Um material fonoabsorvente permite que as partículas de som espalhadas pelo ar penetrem no seu interior, fazendo com que elas não reverberem pelo ambiente.

A absorção sonora é pensada para tornar o ambiente mais agradável, seja para espaços que precisam de conforto acústico para fluir uma conversa, como escritórios e restaurantes, ou em locais que precisam de uma clareza maior dos sons, como teatros e auditórios.

Dicas para não errar

Para garantir um bom projeto acústico e o desempenho do som nesses ambientes, é fundamental seguir as quatro dicas abaixo:
 
1-      1 – Defina a volumetria da sala de acordo com as demandas de programa, sempre pensando na qualidade acústica.
 
2-      2 – Estabeleça a quantidade e as características de materiais acústicos de acordo com o programa de uso do espaço.
 
3-      3 – Mantenha o auditório livre de ruídos excessivos produzidos por tráfego externo, sistema de ar-condicionado e demais instalações prediais.
 
4 – Lembre-se de que a maioria dos auditórios institucionais ou corporativos precisam de privacidade, ou seja, o que acontece internamente não deve ser entendido no lado externo.

Quais materiais usar?

O bom desempenho sonoro em auditórios depende de um diálogo fluido entre a volumetria interna do espaço e os materiais especificados.

De modo geral, o controle de reverberação ocorre com o uso de materiais absorventes como painéis de madeira ranhurada e perfurada, poltronas, painéis absorventes, tapetes e cortinas. Também podem ser usadas portas acústicas ou construções especiais, como difusores. Os forros minerais e de madeira também são usados com frequência nesse tipo de projeto.  

“Sempre especificamos produtos que sejam calibrados para os usos que necessitamos e que possuam todos os laudos e testes necessários para elaborar um projeto acústico”, conta Solé.

Destaques:

Dois auditórios podem ter o mesmo tempo de reverberação e soar completamente distintos, José Augusto Nepomuceno

Sempre especificamos produtos que sejam calibrados para os usos que necessitamos e que possuam todos os laudos e testes necessários para elaborar um projeto acústico, Ismael Solé

Colaboração técnica

Ismael Solé – Diretor presidente da Solé Associados

José Augusto Nepomuceno – Arquiteto, consultor da Acústica & Sônica e Coordenador do GT de Salas Especiais da ProAcústica

Fotos e créditos

Teatro São Pedro – Porto Alegre (RS) | crédito: Paulino Menezes

Teatro Nelson Rodrigues – Caixa Cultural (RJ) | Crédito: O Globo

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.